domingo, 14 de fevereiro de 2010

Antevisão de Metal Gear Solid: Peace Walker






A expressão Tactical Espionage Action foi ouvida pela primeira vez em 1987, quando foi lançado o jogo Metal Gear da Kojima Productions, para o MX2, que, hoje em dia, é um dos jogos mais famosos, juntamente com Sonic, Mario, Megaman e Final Fantasy. Depois do sucesso de Metal Gear, surgiram várias sequelas.
Metal Gear Solid: Peace Walker é uma dessas sequelas.
Metal Gear Solid: Peace Walker é o novo jogo da saga Metal Gear e é exclusivo para a PSP. Porém, não tem menor importância por ser para uma consola "inferior", pelo que Hideo Kojima diz que poderia muito bem ser um Metal Gear Solid 5. Kojima diz que lança este jogo para a PSP pois quer que os jogadores possam levar este novo Metal Gear Solid para onde quer que vão.

Eu vou fazer esta antevisão com base em notícias, videos, imagens e o demo disponibilizado na Playstation Store.

Eis o trailer mostrado na E3 (legendado em português do Brasil):
video

História
Estamos em 1974, 10 anos depois de Metal Gear Solid 3: Snake Eather e vestimos na pele de Big Boss (Naked Snake). Um exército (provavelmente dos EUA, pois estão incluídos agentes da C.I.A.) invade Costa Rica, que não tem exercito nem qualquer força militar (devido à constituição da paz). Então, esta nação recorre aos Militaires sans Frontieres, um exercito sem uma nação, a qual pertence Big Boss e todos os outros Snakes. Entretanto decorrem acontecimentos que nos fazem pensar no que é a verdadeira paz e o que é necessário para ela existir.
As partes da história são mostradas em cartoon.

Gráficos
Não são nada de outro mundo, mas se olharmos que é de uma consola portátil, vemos que estão bastante bons. Atrevo-me a dizer que estes são os melhores gráficos um jogo que a PSP já viu.

Jogabilidade
A jogabilidade está muito boa e a Kojima conseguiu lidar com a falta de botões e de um nalógico, usando o X, quadrado, círculo e triângulo para mover a câmara. Claro que existem movimentos que não podemos executar, mas nada de muito grave (mas isso já são "problemas" da consola). Sabemos também que poderemos equipar o Snake como bem entender-mos, desde armas, itens e o nosso fato, podendo adaptar o Big Boss ao nosso estilo de jogo.

Inteligência Artificial (I.A.)
Está boa, à excepção de:
- os inimigos "verem pouco", ou seja, se não tiverem sido contactados para estarem alerta devido a um intruso, não vêm nada que esteja 10 metros a sua frente;
- quando agarramos um inimigo por trás, ele simplesmente não reage nem oferece resistência, deixando-nos fazê-los perder a consciência sem dar luta;
- por vezes, quando estamos a usar a famosa caixa de cartão do Snake e o inimigo a vê, parece que já sabe que estamos lá dentro. Sei que uma grande caixa cor-de-rosa que apareceu por acaso chama a atenção, mas se a deixamos num sítio (sem estarmos dentro dela), o inimigo passa por ela como se não fosse nada, pelo que não pode ser usada como distracção (e devia).

Som
As vozes estão muito bem feitas (não podemos ver se coincidem com os movimentos da boca dos personagens pois, muitos deles, usam uma máscara), conseguindo perceber se o inimigo está confuso, furioso, etc.
A banda sonora também é boa, dando a ideia que estamos na selva, ou numa base inimiga, etc. e muda com os diferentes graus de alerta inimigo, sendo mais ou menos agitada.


Outro ponto forte do jogo é o co-op. Exactamente, poderemos realizar as missões com os nossos amigos até 4 jogadores em certas missões. Mas sobre o co-op não escrevo mais pois este vídeo mostra bem de que estou a falar:
video

Resumindo: espero grandes coisas deste jogo, apesar de não ser tão bom como MGS 4, mas devido à consola. Espero também que alguns dos erros de I.A. sejam corrigidos até 27 de Maio de 2010, data de lançamento. Entretanto, aconselho a jogarem o demo, que tem quatro níveis com objectivos distintos, dos quais nunca me canso de jogar.

1 comentário:

RBchaos disse...

Bom trabalho, excelente antevisão!
Contamos contigo para mais ;)

PS: Splinter Cell > Metal Gear Solid :P