quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Crítica do filme "2012"






Género - Acção/Disaster

Realização - Roland Emerich

"É o fim do mundo, é o fim do mundo!", palavras que sinceramente já estou farto de ouvir, a teoria do fim do mundo em 2012 ganhou agora uma nova força com o novo disaster film de Roland Emerich (criador de outros famosos disaster movies como "O Dia da Independência" ou "O Dia de Depois de Amanhã"), 2012, nunca que suscitou muita curiosidade, mas o aborrecimento que é o fim-de-semana chuvoso em casa e vontade de ver m**da a rebentar levou-me a ver o filme, e devo dizer que apesar de não ser nada de muito especial, consegue entreter durante as suas duas horas e meia, fiquem com a sinopse:

Jackson Curtis (não é o 50 cent!!), um motorista que se separou da mulher, era suposto levar os seus filhos a acampar ao parque Yellowstone para acampar, entretanto um geólogo chamado Adrian Hemsley descobre um terrível fenómeno relacionado com os "neutrinos" do sol que estão a aquecer o núcleo da Terra, provocando o movimento das placas tectónicas da Terra que por sua vez levam à criação de enormes tsunamis, o Mundo tem até 2012 para evacuar a Humanidade, mas à boa maneira do Governo, só se salvará quem pagar 1.000.000€, bonito hem? Voltando a Jackson Curtis, que após estar reunido de volta com a sua ex-mulher, namorado dela e filhos embarca numa aventura pelo país enquanto vemos muita coisa a ser destruída num dos melhores efeitos especiais de sempre!
O enredo é básico, muito básico, tão básico que o mínimo furo é logo notado e inexplicável, como é que um motorista falhado consegue conduzir como o Schumacher ou como o novo namorado da sua filha é um piloto espectacular não sei e porque é que eles se aliam a um multi bilionário russo também não sei, mas o filme é sem dúvida um espectáculo visual sem precedentes apenas rivalizando com "Transformers" e mostrou-nos talvez uma das quotes mais hilariantes sem ser de propósito. As interpretações estão competentes, com John Cusack a mostrar-se como o melhor do elenco.
2012 não tem muito que se lhe diga, os efeitos estão excelentes, o enredo é apenas a razão de podermos ver coisas a serem violentamente destruídas e as interpretações cumprem a função, 2012 merece uma relaxada ida ao cinema, pois não terá o mesmo encanto fora do mesmo.


Nota: 6.2/10

Sem comentários: