domingo, 12 de julho de 2009

Avaliação de "Halo: Graphic Novel" (BD)




NOME: Halo Graphic Novel
GÉNERO: Ficção Científica
PUBLICADORA: Marvel Comics
ARTISTAS: Simon Bisley, W. Andrew Robinson, Tsutomo Nihei, Jean "Mobius" Giraud.
ESCRITORES: Lee Hammock, Jay Faerber, Tsutomo Nihei, Brett Lewis.
Nº PÁGS: 128
DATA DE PUBLICAÇÃO: 19 de Julho, 2006

Halo é um fenómeno cultural, não há que contornar, basicamente todos os que nasceram na era da internet e da tecnologia (a.k.a WTF Generation! :P) conhece este FPS desenvolvido pela companhia americana, Bungie, por isso é normal que o marketing surja nas mais variadas indústrias, leia-se livros, roupas e provavelmente um filme (Peter Jackson, enorme fã de Halo 3, era suposto estar à frente do projecto, mas até agora nada!). Por isso é normal que chegue também aos comics sobre a forma de Halo: Graphic Novel, bem, devo avisar, apesar de estar surpreendente bom, não merece o estatuto de "graphic novel", porque, apesar de estar escrito e desenhado de maneira excelente, falta-lhe a profundidade de um "V for Vendetta" e "Watchmen" de Alan Moore ou de "Sin City" e "300" de Frank Miller. Mas vamos lá à crítica:

H:GN está dividida em quatros histórias independentes (todas durante ou antes de Halo 2, visto que o 3 só chegou em 2007) escritas por diferentes artistas de diversas nacionalidades, o que é, para mim, um dos pontos mais fortes da obra. Ao contractar artistas diferentes, a Bungie conseguiu que cada história seja diferente, em termos de argumento e arte, da outra.
Vamos começar com a primeira e principal história, "A Última Viagem da Infinite Succor", que segue o Elite V'Tas Vandumme e o seu pelotão enquanto tentam fugir da amaldiçoada Infinite Succor, infestada pela terrível praga espacial, os Flood. Em termos de arte está suberbo! Simon Bisley (criador de Judge Dredd) fez um excelente trabalho nos cenários e no design dos Flood, o seu estilo bruto e agitado combina perfeitamente com a perigosidade e "personalidade" da terrível Flood", em termos de enredo, também está muito bom com diálogos bem-construídos e uma trama que "aquece" lá para o meio. É sem dúvida, a história que merece mais mérito no comic inteiro.
A segunda história "Teste de Armadura" apresenta-nos um estilo mais limpo e genérico do que a anterior, nesta história, vamos assitir aos testes da famosa armadura de Master Chief.
Agora para variarmos, a terceira história, "Quebra de Quarantena" escrita (bem... não tem diálogo) e desenhada por Tsutomo Nihei, um artista japonês que dizia ser um fã hardcore de Halo, que apresenta um estilo que não se vê muito no Oeste, manga, um estilo caraterístico japonês, (não pensem que é estilo anime!) e devo dizer, a MELHOR arte no comic inteiro, excelente mesmo e muito fiel ao material de fonte, apesar de não ter diálogo, a fuga do Sgt Jonhson à terrível Flood, é tão empolgante quanto a primeira história, Tsutomo, tem os meus parabéns, pois criar um história muito empolgante, usando apenas desenhos é, realmente um feito invejável, pena mesmo é a sua longevidade (cerca de 15 páginas).
A quarta e última história é "Última Alvoraçada sobre Nova Mombassa" que retrata a invasão a Nova Mombassa na prespectiva de um jornalista, era susposto esta história ser a mais empolgante, mas infelizmente não é! Porquê? O estilo artístico? O mais genérico possível, os diálogos e trama em si? Não estão nada maus, mas definitivamente, há melhor no livro e depois é demasiado curta! (outra vez, cerca de 15-20 páginas, alias, a única história maior, é a primeira que ronda as 50 páginas, as outras três ficam-se pelas 15-20, o principal aspecto negativo.)
Depois de uma história excelente, uma boa, uma muito boa e outra meh, fica aqui um bom comic para a vossa leitura e fãs de Halo (como muito pessoal aqui do blog) , é isto que vocês querem! Devo salientar que a arte (salvo algumas execpções...) é de alto nível e o argumento está bastante bom, apesar de não ser inesquécivel, recomendo vivamente!

Nota: 8.4/10

Sem comentários: