domingo, 31 de maio de 2009

Novos vídeos de Assassin's Creed 2 e Splinter Cell: Conviction

«por RB»

A UbiSoft, sem querer, deixou escapar breves segundos de vídeos dos seus mais recentes títulos: "Splinter Cell Conviction" e "Assassin's Creed 2". É o suficiente para nos entusiasmar até à E3, que começa já amanhã.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Como fazer uma bomba de fumo sem gastar muito dinheiro


«por RB»

Hoje fiz o upload de mais um tutorial, só que desta vez, não é um tutorial relacionado com computadores; é sim, com uma bomba de fumo caseira (mas potente!). É muito barato fazer uma (cerca de 0.30€-0.50€) e será muito útil. Estou a pensar usar uma no na minha curta metragem. Como podem imaginar existem vários usos para uma bomba de fumo: usá-la nos vossos vídeos, por diversão e até em casos de emergência (embora exista uma bomba de fumo mais eficaz para esta finalidade). Têm duas opções: podem seguir as instruções que darei a seguir, mas sem imagens, ou podem ver o vídeo. O melhor é fazerem as duas.


Material necessário:
  • Bolas de ping-pong

  • Papel / Alumínio

  • Tesoura / X-Acto

  • Isqueiro / Fósforos

Primeiro começam por arranjar algumas bolas de ping-pong (quantas mais, mais será o fumo, mais potente será a bomba) e numa delas fazem um buraco usando a tesoura. Não façam um buraco muito grande, façam um relativamente pequeno, como a tesoura deixará depois de atravessarem a bola com ela. Depois disso, ponham essa bola de lado.

Peguem nas outras bolas e comecem a cortá-las em bocadinhos/tiras pequenos com cerca de 1cm, sem exceder este tamanho. Mas é mesmo para cortar as bolas aos bocadinhos!

Quando forem cortar a última bola, cortem um bocado maior, com cerca de 2-3cm, isso será o vosso rastilho.

Depois de terem todos os bocadinhos e o rastilho, começam a por os bocadinhos dentro da bola em que fizeram o buraco. Pode ser aborrecido, se usarem muitas bolas. Não metam o rastilho dentro da bola.

Agora que todos os bocadinhos estão dentro da bola, peguem no vosso rastilho e metam-no na bola: metade dentro, metade fora. Conheço pessoas que cometeriam o erro de inserir completamente o rastilho dentro da bola, por isso não façam isso.

Finalmente cubram toda a bola com uma folha de papel/alumínio, excepto o buraco e o rastilho.

E estão prontos para testar a vossa bomba. Usem um isqueiro ou fósforos para acenderem o rastilho. No ínicio começará a sair um pequeno fogo; o que devem fazer é dar um simples sopro que rapidamente se apagará. Não pisem! Senão o fumo durará muito menos! E também vos sugiro a manterem-se na direcção oposta do fumo, pois cheira mal e o melhor é não o respirar, que é um nadinha tóxico.

Espero que gostem! Aqui fica o vídeo para quem se quer certificar do procidemento!


PS: Esta bomba é mais potente que aquela que aparece em outros vídeos. Nesses vídeos limitam-se a envolvê-la em alumínio e incendiando-a. Esta dá mais trabalho mas é melhor, na minha opinião.

domingo, 24 de maio de 2009

Gears of War 2 com lag?


«por RB»

...agora já não! Estive ontem cerca de 4 horas a jogar Gears of War 2, depois de ter saído o último update, e sem dúvida que a lag diminui drasticamente. Durante o tempo que joguei, foram mínimos os momentos em que os meus tiros demoravam mais tempo a sair. Para quem tem o jogo enconstado por causa da lag, está na altura de o pôr a rodar!

sábado, 23 de maio de 2009

Como obter o Sony Vegas Pro 8.0 gratuitamente


«por RB»


Há pouquíssimo tempo fiz um vídeo para o YouTube (um tutorial, para ser mais preciso), que demonstrava como conseguir o software Sony Vegas Pro 8.0 de borla, software esse que uso para fazer os meus vídeos. Esta é uma boa oportunidade de se tornarem o Steven Spielberg dos efeitos especiais. Se gostares do tutorial, vota 5 estrelas, comenta e subscreve no meu canal.

Dica: Clica no vídeo duas vezes e serás enviado para o YouTube, quando fores, clica no botão HD, aí verás o vídeo numa definição impressionantemente espectacular!

Sony Vegas Pro 8.0
Keygen


quarta-feira, 20 de maio de 2009

Análise - Project Snowblind



«por Martin» [editado por RB]

Project Snowblind é mais um FPS futurista com características semelhantes a Halo, apesar de não chegar aos seus calcanhares nem de perto. O nosso personagem chama-se Nathan Frost, sendo, no início, um soldado normal a lutar pela paz do mundo.

Depois de termos jogado um pouco, vemos uma pequena animação que nos mostra uma granada a cair perto de Nathan e logo a seguir vemo-nos numa maca, sendo levados para uma sala. Após isso, o ecrã fica preto... fomos geneticamente mutados!

O doutor mostra-nos as nossas vantagens em relação aos outros humanos (vantagens essas que também podem ser chamadas de super-poderes). O ajudante esqueceu-se de inserir algumas "vantagens", por isso, vamos encontrando-as ao longo das missões (algo estúpido não?)... Se quanto ao fantástico enredo estamos conversados, está na altura de especificar quais as vantagens que o nosso personagem tem.



- A Visão - Nathan consegue ver os inimigos e todos os perigos em amarelo;

- Reflex Boosting - Fica tudo em câmara lenta, temos a oportunidade de eliminar os inimigos mais rápidamente;

- Balistic Shielding - Temos um escudo à volta do corpo do nosso personagem, tal escudo é à prova de qualquer bala;

- Invisibility - Ficamos invísiveis por um pequeno período de tempo, o único problema é que não podemos disparar.


O nosso personagem também dispõe de uma variedade de armas:





- Icepic - Uma arma que controla os nossos inimigos robóticos

- Kinetic Kicker - Arma que puxa e empurra coisas a qualquer distância

- Pistol - A típica pistola

- Carbine - Arma de rajada, também apelidada de metrelhadora

- Shotgun - Mais potente do que a shotgun tradicional

- Sniper Rifle - Semelhante à sniper habitual

- Rocket Launcher - Lança mísseis futurista



Não há muito mais a dizer sobre este título: tem gráficos medianos, jogabilidade satisfatória, som dentro do razoável e proporciona bons momentos de diversão, apesar de ser repetitivo e sem ter um argumento capaz de imergir o jogador. Apesar de ter uma campanha pobre, Project Snowblind tem um modo multiplayer que pode ser considerado como medíocre.

Project Snowblind é o típico FPS razoável que não quebra barreiras, mas será uma boa escolha devido ao baixo preço que motivará os apreciadores do género a lhe concederem uma oportunidade.


Positivo:


  • Poderes do personagem
  • Momentos de diversão
  • Preço baixo


Negativo:


  • Enredo estúpido
  • Grafismo precisa de ser polido
  • Multiplayer pobre

Nota final - 57%
Vale a pena gastar 10€ no jogo?
Se forem apreciadores do género...
Detalhes do jogo:
Nome: Project Snowblind
Editora: Crystal Dynamics
Distribuidora: Eidos Interactive
Plataformas: PC PS2 XBOX
Género: First Person Shooter
Modos: Single Player Multiplayer online
Rating: +16
Metacritic score: 76 out of 100

Primeiras impressões sobre o filme de Gears of War - Elenco


«por RB»

São muitas as adaptações de filmes para jogos, na sua maioria, mal sucedidas. Existem casos particulares em que a transição é oposta: jogos para filmes. Poucos são os casos que são bem sucedidos (na minha opinião); eu gostei de Tomb Raider, (embora os críticos não concordem comigo) tanto do jogo como do filme, mas o que não gostei foi de saber que o filme da saga Halo (realizado por Peter Jackson), tinha sido cancelado. A melhor saga de FPS (provavelmente a melhor saga de videojogos para mim) que era digna de um filme fora cancelada porque o orçamento era muito grande e não havia dinheiro para tal.


Recentemente (há alguns meses) ouvi falar que em meados de 2010 seria exibido o filme baseado em Prince of Persia: The Sands of Time (outra triologia que adorei, principalmente o primeiro jogo) e God of War (que é dos melhores hack n' slash que já joguei). Depois de ver a notícia fiquei certo que melhor que estes dois jogos, só mesmo Halo para superar as minhas expectativas. Ora, tudo isto se passou antes de eu ter a minha XBOX 360 e ter jogado Gears of War. Adorei o jogo e há pouco tempo li que o elenco já tinha sido escolhido o guião estava em desenvolvimento. Apesar do jogo ser à base de matar bichos que berram como meninas, adoraria vê-lo nos cinemas. Agora que temos Prince of Persia, God of War e Gears of War, os fãs das séries em cerca de 2 anos já poderão ver os filmes (se estes não tiverem o mesmo destino que Halo). Para mim, melhor do que isto só o filme da saga de Masterchief e outro sem dúvida: Bioshock! Bioshock merecia um filme, não só pelo seu fantástico enredo, mas pelo seu ambiente sem precedentes. Era bom não era?


Mas passando ao jogo em destaque: Gears of War;
«Chris Morgan, escritor de Gears of War, garantiu que o filme da saga de videojogos criada pela Epic Games "está com um aspecto incrivelmente bom" em declarações concedidas à MTV. Morgan explicou que estão a trabalhar no guião e que estão a preparar também o orçamento para o filme, afirmando que o projecto está a progredir e mostra ser bastante promissor. "Acho que os jogadores vão ficar surpreendidos com o filme," disse Morgan. "Todas as coisas que eles vão querer ver, estamos a meter, e até estamos a colocar algo mais." Morgan declarou também que, "Uma das coisas sobre a qual estamos a falar agora é sobre o orçamento do filme e sobre de quão grande vai ser o espectáculo." Chris Morgan trabalha em conjunto com Len Wiseman (realizador de Die Hard 4.0) neste projecto em colaboração com Cliff Bleszinski, criador do jogo Gears of War.»


Outro aspecto ainda a salientar sobre o filme é o seu elenco.



Para já nota positiva na escolha do elenco, apesar de não ter gostado do actor que faz de Dominic (2ª imagem). Melhor que este elenco só mesmo este:

Neste elenco só não gostei do actor Bradley Cooper para representar Baird. De resto, os outros estão perfeitos.

E vocês, o que acham? E sobretudo, o que esperam do filme de Gears of War?

domingo, 17 de maio de 2009

Vídeo in-game de Beyond Good and Evil 2?

«por RB»

Sou grande fã da UbiSoft (aliás, é a minha produtora favorita), mas nunca joguei o primeiro Beyond Good and Evil. Estava nas minhas pesquisas habituais e vi que a UbiSoft não irá disponibilizar o jogo na E3 deste ano. Porém, encontrei aquilo que parece ser uma gameplay do jogo. Parece in-game, porque não estou a ver uma cutscene feita desta maneira. Se o jogo realmente for assim, então será uma compra a ponderar.

Gameplay de Uncharted 2: Among Thieves

«por RB»

Já foi disponibilizada uma gameplay do exclusivo PS3, Uncharted 2: Among Thieves (de momento, o único jogo que me faria comprar uma PS3, juntamente com Killzone 2). Se o jogo melhorar todas as falhas do primeiro (que já joguei), então será um título que os utilizadores de PS3 não quererão perder. Eu particularmente gostei bastante; gráficos excelentes, boa física de jogo, a jogabilidade também me parece boa.
Fiquem com os 5 minutos de vídeo:

sábado, 16 de maio de 2009

Crítica do filme X-Men Origins: Wolverine


«por RB»


Género - Acção


X-Men Origins esteve nos cinemas desde 1 de Maio de 2009. Em 1 de Maio de 2008, Iron Man teve o mesmo destino. Dois dos filmes que mais esperava saiem no mesmo dia em anos diferentes. Qual o melhor? Boa pergunta!

X-Men Origins conta-nos o passado de Wolverine e como se tornou aquilo que é nos filmes X-Men. Hugh Jackman representa extremamente bem, sendo um dos meus actores favoritos. Em X-Men Origins não muda e a sua representação é excelente também. O argumento é sem dúvida bom, se bem que com alguns clichês, mas nada de mais. Os efeitos especiais estão espectaculares sem sombra de dúvida. Não tenho muito mais para dizer, talvez que as minhas expectativas não eram tão altas, mas o filme saiu-se muito bem. Adorei o filme!


Nota: 7/10

Análise e vídeo-análise - Halo 3

Antes de mais, gostaria de dizer que Halo: Combat Evolved foi o melhor FPS que já joguei; tinha tudo: gráficos espectaculares, jogabilidade nunca vista, banda sonora simplesmente ÉPICA e um multiplayer que garantia meses de diversão. Infelizmente não encontrei Halo 2 à venda em lugar nenhum e tinha de me dar por contente com Combat Evolved... até que o meu presente de aniversário deste ano foi... adivinhem: HALO 3!



«por RB»
"Masterchief está de volta, e desta vez, para terminar a luta!"
Halo 3 é o último capítulo da saga de Masterchief (será?), um super-soldado que é a última esperança da humanidade na luta contra os Flood. Quem jogou Halo: Combat Evolved sabe perfeitamente que a saga transpira epicidade e conta com uma história que merece um filme (aliás um filme esteve em produção, mas pelos elevados custos, acabou por ser cancelado). Uma das coisas que destacou Combat Evolved no mercado de jogos foi, sem dúvida, a sua jogabilidade. Halo 3 não foge à regra (e acredito que Halo 2 também não) e consegue ser um dos FPS (senão O FPS) com melhor jogabilidade.
Umas das diferenças que notei logo foi a barra de saúde, que desta vez, vai esvaziando e quando atinge o vermelho, estamos prestes a morrer, restando-nos esconder durante breves segundos e esperar que volte a encher. Outra novidade foi as "gadgets" chame-mos-lhes assim; esses aparelhos podem ser essenciais na nossa luta, tanto para o ataque como para a defesa. Temos vários aparelhos que podem ir desde escudos redondos (Bubble Shields), até auto-torretas que disparam sobre os nossos inimigos. Claro que só podemos usar um de cada vez, estando sujeitos a cada vez que o gastamos, apoderarmo-nos de outro (que costuma estar com o inimigo).


Outro factor de novidade foi o transporte de duas armas; penso que isto já era possível em Halo 2, mas para mim, deu-me muito jeito ter duas armas ao meu dispôr no mesmo instante.

E a minha maior supresa foi a linguagem: o jogo está totalmente em português! Totalmente não, as vozes estão em inglês, ainda bem, porém tudo o resto está em português do Brasil, o que ainda é aceitável, mas nada como português de Portugal. As legendas, os menus e até o HUD (Heads Up Display) estão em português.
Parando de falar nas novidades, vou contar-vos um pouco acerca da história: em Halo 3 a guerra está preste a acabar e tudo depende de vocês, e desta vez têm um companheiro do vosso lado: um Arbitrer. Apesar de ser bastante útil ter um Arbitrer por perto, este parâmetro peca quando têm Marines do vosso lado, ou seja, tanto o Arbitrer como os Marines ficam... Burros!! E um aviso: nunca os deixem conduzir veículos por vocês, façam isso na companhia de um amigo, mas não da inteligência artificial.
Agora quero fazer uma pequena crítica ao jogo: Quando comecei a jogar, escolhi logo a dificuldade Lendário, visto que me considerava pronto para tal. Fiz a primeira missão, mas não passei da segunda... sabem porquê? Por causa dos snipers! Em cada passo que dava, levava com um tiro de sniper, e em Lendário, basta um tiro e puff... morrem! Levei 2 horas a tentar passar pelos malditos snipers, mas não consegui e tive de mudar para Heróico. Agora quando voltar a jogar, vai ser em Co-op na companhia de um amigo e aí é que esses sacanas vão ver... outra crítica ainda é o facto de que os saves estão mal feitos, passo a explicar; imaginem que têm uma urgência ou uma coisa do género, o que fazem nos outros jogos é salvar e mais tarde continuam do mesmo ponto. Em Halo 3 isso não funciona assim; se quiserem fazer um nível, têm de o fazer em seguido, sem deixar, caso contrário, terão de fazer tudo de novo... as vezes que não repeti o mesmo nível só para desbloquear o achievement... a campanha, feita em Heróico, sozinho, durou-me cerca de 9 horas, mas na companhia de um amigo será bastante mais rápido.
Passando agora aos aspectos técnicos:
Graficamente não é nenhuma revolução, e este factor deveria ter sido melhorado; não que os gráficos estejam maus, aliás, estão mesmo espectaculares, especialmente a água (ainda hão de se jogar para ela e ver o que acontece), porém, Halo é o maior exclusivo XBOX e sendo assim deveria ser o FPS com melhores gráficos já vistos... não é, mas é excelente na mesma.
Referentemente à jogabilidade já disse tudo, a Bungie limitou-se a afinar o que já era perfeito e saiu um resultado estrondoso. Saliento só que este é sem dúvida o FPS com melhores controlos nos veículos que são muitos. É bastante fácil controlar qualquer um: Warthog, Moongose (adorei este veículo), Ghost... enfim, neste aspecto é "O MELHOR"!

A banda sonora de Halo é a melhor que já ouvi num jogo; poucos podem sequer atingir os seus calcanhares, talvez Bioshock e God of War, mas garanto-vos: a banda sonora é simplesmente ÉPICA! A música de fundo combina sempre com o ambiente circundante, especialmente a última missão: com aquela música, vocês até sentem obrigação de salvar a humanidade.
E por fim, o multiplayer, o que fez de Halo 3 o mais jogado no LIVE desde o seu lançamento foi o multiplayer. Contando com 9 modos, cada um deles com mais uns quantos sub-modos e a ausência de lag, garante que Halo 3 ficará muito tempo no leitor da vossa XBOX 360.
Adições para o que já era perfeito é o modo "Forge" e "Theatre", que vêm a demonstrar mais ainda a qualidade deste título. No modo Forge podem criar os vossos próprios níveis e jogar online com os vossos amigos, a única limitação talvez seja que cada item que adicionam ao mapa, custa dinheiro (dinheiro virtual, dinheiro no jogo, não na realidade! Não se assustem que não vão gastar nem 1 único cêntimo), porém isso só acrescenta realismo. No modo "Theatre" podem criar os vossos próprios clips de vídeo e enviar aos vossos amigos, mostrando-lhes como mataram aquele boss, ou como mataram 3 de seguida... e mais!! O site da Bungie tem toda a informação das vossas partidas online: Quem ganhou, com que arma matou, quem fez mais pontos, e sempre que fazem/tiram um vídeo/foto no jogo, o upload é feito também automaticamente para a vossa conta no site. A Bungie empenhou-se neste aspecto e saiu vencedora.

Terminando; Halo 3 é sem sombra para dúvidas um must-buy para quem tem uma XBOX 360. É possivelmente o melhor FPS disponível (tenham calma que ainda não tenho Call of Duty 4) actualmente e será um bom investimento a longo prazo.
Vejam agora a vídeo-análise em HD.




Positivo:
  • Jogabilidade espectacular
  • Banda sonora épica
  • Multiplayer incrível
  • Diversão garantida
  • Cenários variados
  • Um dos jogos mais completos da actualidade




Negativo:

  • Sistema de saves

  • Shotgun fraca na campanha relativamente ao Multiplayer

  • IA dos parceiros algo baixa

Nota Final: 98%




Vale a pena gastar 40€ no jogo?
Definitivamente.

Detalhes do jogo:
Nome: Halo 3
Editora: Bungie
Distribuidora: Microsoft Studios
Plataformas: XBOX 360
Género: First Person Shooter
Modos: Single-Player; Online competitivo; Offline Competitivo; Co-op Online;
Rating: +16
Metacritic Score: 94 out of 100
Site oficial do jogo

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Crítica do filme 2 Fast 2 Furious / Mais Velozes, Mais Furiosos


«por RB»


IMDb - 5.1/10

Metacritic - 38/100

Realização - John Singleton

Género - Acção

É domingo e isto estava a dar na TV. Apeteceu-me escrever algo, mas não muito. É um filme da saga da Velocidade Furiosa, por isso não esperem aqui nenhum Shawshank Redemption ou um Taxi Driver. Vê-se bem se gostarem de acção e gajas com pouca roupa. Se gostarem de cinema, epá, não recomendo.

Nota: 5/10

Crítica do filme Fast & Furious 4 / Velozes e Furiosos

«por Martin» [editado por RB]
Género: Acção

Foi há um mês atrás a primeira vez que ouvi falar do último filme da saga Fast & Furious (Velozes e Furiosos), mas ontem, tive a oportunidade de o ver. Este filme ultrapassa os seus antecessores, batendo-os por muitos "pontos", sendo Vin Diesel a personagem principal e não Paul Walker, ao contrário dos episódios anteriores da série...
O seu enredo contém muita acção e um início espectacular.
Nota: 6/10

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Mais 9 minutos de Bioshock 2: Sea of Dreams

«por RB»

Para o grupo de jogadores que estão muito ansiosos (no qual eu me incluo) pelo jogo Bioshock 2, foi disponibilizada uma gameplay de 9 minutos intitulada "Hunting the Big Sister". Sem mais tretas, aqui está o vídeo:

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Crítica do filme The Edge / No Limite



IMDb - 6.6/10
Metacritic - N/A
Realização - Lee Tamahori
Género - Acção/Aventura


Se se perdessem numa floresta acham que seriam capazes de sobreviver sozinhos? E se o teu maior inimigo fosse a tua única hipótese de sobrevivência?

É esta a mensagem que o filme The Edge / No Limite pretende transmitir ao espectador; o trabalho em equipa é fundamental para a nossa sobrevivência.

Num filme de 1997, realizado por Lee Tamahori e protagonizado por Anthony Hopkins e Alec Baldwin, The Edge conseguiu surpreender-me, especialmente pela maneira / representação dos actores interagirem. O enredo que gira à sua volta não é nada complexo, mas tem as ideias fundamentais de como seria estar perdido com mais uma pessoa e o teu maior inimigo.

Sim, a única razão para não matares o teu maior inimigo é porque ele é a tua única hipótese de sobrevivência.

Se depois de lerem a crítica ainda pensam que sobreviveriam sozinhos, então aconselho-vos a ver o filme, para ver se mudam de ideias.
Nota: 7/10

Crítica do filme Street Fighter: The Legend of Chun-Li

A crítica que se segue é uma contribuição de um dos nossos leitores do blog. O seu nome é Martin e depois de ver o filme referido, decidiu contribuir para o nosso blog com a crítica do mesmo. Será um membro especial?
«por Martin» [editado por RB]

IMDb - 4.3/10

Metacritic - 17/100

Realização - Andrzej Bartkowiak (até eu realizo melhor que ele)

Género - Combate (da treta)

De certeza que vocês já ouviram falar do jogo "Street Fighter", grande beat'em up em 2D que fez a delícia de muitos jogadores há valentes anos atrás. Possivelmente pensarão que o filme vai ser razoável com efeitos de de bolas de luz e lutas épicas... MAS NÃO!

A única coisa no filme que chega a atingir um nível de mediocridade baixa é uma ou duas bolas de luz, ou como lhes queiram chamar, embora no site de partilha de vídeo mais famoso do mundo (YouTube, para quem não sabe) encontrem trabalhos feitos por amadores em casa sem qualquer tipo de investimento, que acabam por ser melhores.
Existem algumas cenas de combate que conseguem sair-se melhor, mas nem se fala!
O enredo, a representação, até a edição foi mal feita!
Concluindo: sabem aqueles jogos de luta que vocês gastavam escudos nas máquinas (se eram nascidos) só para passarem uma boa tarde? Aquele jogo que foi considerado por muitos de vós um jogo impecável? Pois o melhor é ficarem-se pelo jogo, porque o filme é uma [censorado]!
Se quiserem confirmar, visitem os links da IMDb e da Metacritic, mas não é recomendável a quem não está habituado a ver pontuações tão baixas.
  • Nome para este filme seria "Street Fighter: A lenda do chulé".
Nota: 3/10

Crítica do filme Gran Torino


«por RB»


IMDb - 8.4/10

Metacritic - 72/100

Realização - Clint Eastwood
Género - Drama (embora não seja o termo mais correcto para o descrever)


Já há algum tempo que tinha visto o filme, mas hoje que o revi, devo dizer que me motivou o suficiente para escrever uma crítica. O filme é realizado e protagonizado pelo mítico Clint Eastwood, que pelo que parece, este será o seu último filme (por favor não!!); Eastwood desempenha uma performance espectacular assim como todo o enredo que gira à sua volta, onde representa um veterano de guerra com "mau feitio" que detesta tudo à sua volta mas acaba por conhecer um "aprendiz" seu vizinho, e tudo graças ao seu carro Ford de 1972: Gran Torino. Um filme a não perder!


Nota: 8.3/10

sábado, 9 de maio de 2009

Crítica do filme REC


«por RB»


Antes de mais, deixem-me informar-vos que não sou muito apreciador do género de terror. Simplesmente não acho piada, prefiro um filme cheio de acção do que zombies a arrastarem-se de um lado para o outro. Sendo assim devem perguntar-se porque decidi ver o filme REC. Simplesmente porque um amigo me recomendou. Nesse caso lá fui ver o filme e uma hora e 15 minutos depois já tinha acabado. Apesar de ser curto, o filme é interessante (zombie style) com alguma violência à mistura. O enredo acaba por não ser totalmente desconhecido, mas sabe-se que... bem, vejam o filme e descubram. Só uma curiosidade, o filme decorre todo duma única perspectiva: a da câmara!!


Nota: 8.5/10

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Actualização

Os visitantes assíduos do blog (se é que existem) já devem ter reparado que algumas coisas mudaram (esperemos que para melhor).
  • Uma delas é o contador de visitantes. Sempre que algum computador/utilizador entra no blog, será aumentado uma visita no contador, óbvio que cada computador só conta uma visita por dia.
  • Depois, temos a ChatBox, que serve para os visitantes do blog conversarem instantaneamente, sem ser necessário "actualizar" a página. Quando forem entrar no Chat, metam sempre o mesmo nome, para ser fácil saber quem são. Eu sou fácil de identificar, o meu nome é RBchaos e a minha imagem será o logo do jogo Mirror's Edge.
  • E ainda temos os banners. Um banner para a mais recente crítica/análise e outro para o fórum do blog... SIM! O BLOG TEM UM FÓRUM (esperemos que todos de vós saibam o que é um fórum)! Podem criar os vossos tópicos na devida secção, que podem conter dúvidas, sugestões, críticas, as vossas críticas/análises, enfim; tudo o que vocês gostem. MAS TUDO NA DEVIDA SECÇÃO! Ah, é verdade, registem-se no fórum, caso contrário, não conseguirão fazer nada, excepto ler.
E ficamos por aqui, até à próxima!