sábado, 7 de fevereiro de 2009

Crítica do filme The Dark Knight



"WHY SO SERIOUS?!"

Vamos lá começar... OMG WTF BEST SHIT EVER!! The Dark Knight, uma metáfora para um vigilante anti-herói, que devido a um incidente que presenciou enquanto criança o tornou naquilo que viria a ser. O herói que Gotham merece... Mas não o que precisa...

Harvey Dent, procurador da câmara de Gotham, têm feito um trabalho esplêndido e tem posto muita gente da Máfia atrás das grades. Claro que enquanto Dent trata deles em público, Batman atinge-os de noite, perseguindo-os, destruindo-os... Eles entram em desespero... E o desespero pode alterar tudo, até ao ponto de os criminosos mais poderosos de Gotham recorram a um homem que não conseguem compreender... estamos claro a falar do palhaço mais adorado de sempre. E claro que por palhaço, entende-se psicopata assassino sem escrúpulos que mete maquilhagem na cara para ser ainda mais assustador.

 


Joker, tão conhecido vilão, aliás, a sua rivalidade com Batman, é, incontestavelmente, a melhor de todas entre 'herói-vilão'.
Joker, interpretado pelo falecido vencedor de Óscar Heath Ledger, é, talvez até mais que Batman, o centro das atenções do filme. Um homem que ninguém compreende, com um passado pouco nítido, com várias versões, completamente louco e psicótico, mas altamente inteligente e eficaz. Um homem sem identidade, que sofreu as injustiças do mundo, e agora, quer transmitir uma moral... "Everything Burns!"



Acho que este filme triunfa por ser tão diferente dos restantes filmados de heróis de banda desenhada. O que têm aqui é um policial, um thriller, um drama (tendo, obviamente, a sua quantia de acção) que utiliza uma narrativa que tem como plano de fundo uma crítica social e um ideal utópico (Joker e Batman, respectivamente) para criar um ambiente tenso, negro e complexo. Nenhum personagem aparece a duas dimensões e isso é algo que temos de respeitar, pois este é um feito muito raro nos dias que correm.

A sequela a Batman Begins acaba por, inevitavelmente, ser menos centrada em Batman e ter mais ramificações e mais personagens secundários, havendo até um bom segmento despendido à sua relação com Rachel Dawes e o Comissioner Gordon.

Mas nem tudo é um mar de rosas. Sinto-me algo desiludido com a falta de violência gráfica, visto que Joker, sendo o filho da puta deturpado que é, apesar de ter uma presença tenebrosa e 'chilling', nunca deixa um grande rasto de sangue para trás, o que é algo que eu creio que deveria ter sido feito (mas pronto, o filme é PG-13, o que é que se pode esperar), visto que nos comics, a sua mestria com pés de cabra é eloquentemente demonstrada. Para além disso, Gotham City não parece Gotham City. Em Batman Begins, a cidade da escumalha estava melhor alcançada (longe de perfeita, sendo que em fan-films já vi melhores atmosferas), mas no Cavaleiro das Trevas, esta parece ter sido substituída pela mais citadina e urbana metrópole de Chicago. Não que seja necessariamente uma coisa má, mas para mim, Gotham City é suposto ser um antro de pedófilos e psicopatas, onde chove todos os dias e cada curva precede um crime violento.

Heath Ledger, Christian Bale, Morgan Freeman, Michael Caine, enfim, um elenco espectacular com actuações esplêndidas, cenas de acção intensas, música espectacular, screenplay muito bom e uma história que vos fará pensar e reflectir sobre a organização da sociedade e acima de tudo, do indivíduo. Afinal de contas, quão leal é um cão esfomeado?




Christopher Nolan está de parabéns por ter realizado uma obra prima do cinema, e não se metam com estereótipos, não se metam com merdas, este não é o típico filme de super-heróis como o Homem-Aranha.

Mas agora...

LET'S PUT A SMILE ON THAT FACE!




" Excelente em todos os aspectos.
Heath Ledger esteve brilhante.
Lendário. "

Nota: 9.9/10


" Profundo e intrigante...
Joker sobressai e realça-se
mais do que o próprio Dark Knight "

Nota: 9.9/10

Nota Final: 9.9/10

Nota: The Dark Knight também inclui o melhor truque de magia de sempre.

Sem comentários: