sábado, 17 de janeiro de 2009

Análise - Bioshock

A análise do jogo do ano de 2007 para a consola XBOX 360. O jogo também se encontra disponível para PS3 e PC.

Prós:
Gráficos sensacionais, proporcionando um ambiente espectacular, mais realista é practicamente impossível, com a Arte Déco típica dos anos 50. Som fenomenal, enquandrando-se em todas as situações. Jogabilidade fantástica, quase sem falhas e enredo practicamente perfeito. Inteligência artificial (quase sempre) espectacular. Rapture está super realista, com uma dimensão fenomenal e dividida de como seria uma cidade na vida real.
Contras:
Apesar de comunicar-mos via rádio com o nosso amigo Atlas, o nosso personagem não abre a boca durante as 20 horas de jogo, limita-se apenas a dizer "agh" quando sofre golpes fortes. Apesar de não ser um defeito, determinados tipos de splicers, depois de mortos, mexem alguma parte do corpo, chegando por vezes a mexer a mão, dando a sensação de dizer "Olá!".


Andrew Ryan escolheu o impossível... ele escolheu... Rapture! Rapture é uma cidade submersa no Oceano Atlântico fundada por Andrew Ryan, onde habitam somente as mentes mais geniais do planeta. Tudo era perfeito, até que uma substância denominada "Adam" foi descoberta. Esta substância permitia ao seu portador alterar os seus genes, tornando-se uma espécie de "Homem-maravilha", podendo aumentar a sua capacidade mental, física e até regenerativa. O ADAM foi estudado e graças ao mesmo, foi possível a criação de Plasmids, que geraram a cobiça entre os habitantes de Rapture, causando lutas entre os mesmos que acabaram por enlouquecer.
Quando começamos o jogo, o nosso personagem cai de avião sendo o único sobrevivente, descobrindo a entrada para Rapture. Mal andamos pela cidade, vemos logo que está dominada por loucos, e o nosso objectivo é sobreviver. Para sobreviver precisamos do ADAM, que é retirado das Little Sisters, que por sua vez, são protegidas pelos Big Daddies, que são os inimigos que mais desafio apresentam ao jogador. Os Big Daddies possuem uma armadura extremamente forte, o que os torna difíceis de matar. O jogador pode combinar os Plasmids e as armas para os derrotar mais facilmente.
Mas afinal o que são exactamente os plasmids? Os Plasmids são "poderes" que o jogador ganha depois de se injectar com as seringas de EVE. Existe uma grande variedade de Plasmids. Um que é indispensável é o Electro Bolt, que aliás, é o primeiro Plasmid que temos. Este Plasmid permite ao jogador dar choques aos inimigos e se eles se encontrarem na água, um choque na água vai fazer com que eles morram de imediato (uma vez que façam isto, desloqueam um Achievement). Plasmids como queimar os inimigos (Incinerate!), enviar um enxame de abelhas ao inimigo (Insect Swarm), congelar (Winter Blast), fazer com que o inimigo se torne alvo da segurança (Security Bullseyse) são apenas alguns da enorme variedade de Plasmids. A segurança, é segurança "electrónica", constítuida por robots voadores, metralhadoras e câmaras de vigilância (que não causam qualque dano, apenas activam o alarme, o que faz com que os bots voadores venham atrás de nós).Para além dos Plasmids também temos outros tónicos. Tónicos físicos, que aumentam ao nossa capacidade física, tónicos de combate, que aumentam o poder das nossas armas ou ainda, tónicos de engenharia, que aumentar a possibilidade de hackarmos qualquer coisa.
Por falar em hackar, vou explicar como é: existem máquinas que vendem munições, kit's de primeiros socorros (que aumentam a nossa vida), seringas EVE e outro tipo de coisas. Ora.. VENDEM! É necessário dinheiro para comprar. O dinheiro encontra-se por toda a Rapture, mas não esperem que haja dinheiro a torto e a direito! O dinheiro é escasso e a munição então... uma vez que tenham morto splicers (os loucos de Rapture), eles podem transportar dinheiro, munições ou outro tipo de coisas, sendo que, depois de termos algum dinheiro, o melhor que temos a fazer é ir ter a uma máquina de vendas para comprar munições. Se precisarmos de munições (ou outra coisa qualquer) e não tivermos dinheiro que chegue, podemos sempre hackar a dita cuja. O hack consiste em um mini-jogo onde orientamos um tubo de água até à sua saída. Uma vez completo o mini-jogo, o preço dos itens diminui o que ajuda, e muito. Também podemos hackar os bots da segurança para fazer com que nos protejam e ataquem os nossos inimigos.
Bioshock é um jogo que ignora as novas tendências de só se poder carregar um número reduzido de armas. O jogador pode carregar todas as armas no jogo (aliás, deve carregar, se quiser sobreviver), que vão desde uma simples chave inglesa (que é a única arma que possuímos no inicio do jogo), até um lança chamas. Como existem vários tipos de inimigos, existem vários tipos de munições para cada arma, as Antipersonnel, que são munições para a pistola e para a metrelhadora que são particularmente eficazes contra os Splicers. Depois temos as Armor Piercieng, que são eficazes contra os inimigos "metálicos" como os bots ou os Big Daddies. Estas munições são somente para a pistola e para a metrelhadora, porque para a Shotgun, para o Lança-chamas, para o Lança-Granadas, e para a Crossbow também existem 3 tipos de munições: 2 munições espeficicas, que é o caso dos bots e dos splicers, e munições normais, que não são tão eficazes contra os determinados inimigos, mas afectam de maneira igual tanto os bots como os splicers.

Os Big Daddies podem ser derrotados mais facilmente, se adoptarmos uma posição mais inteligente, porque se dispararmos à balda, ou temos uns quantos kit's de primeiros socorros, ou voltamos para a Vita Chamber mais próxima. Quando me refiro a posição inteligente, significa equiparmos munição eficaz para o Big Daddy, colocarmos umas quantas minas no chão, afastarmo-nos um pouco dessas minas e começar a disparar; ele vem a correr na nossa direcção, pisa as minas, as minas explodem e logo a seguir a melhor coisa a fazer é congelá-lo ou electrificá-lo e começar a disparar. Uma vez derrotado, a Little Sister que se encontra por perto começará a chorar e aparece-nos a opção para a Matar (Harvest) ou Salvar (Rescue). Se a matár-mos obtemos mais ADAM que pode ser gasto numa Gatherer's Garden para comprar plasmids ou outros tónicos; se a salvár-mos, recebemos menos ADAM, mas a menina continua viva. Depois de passarmos o jogo, irá passar uma cutscene que depende da nossa atitude perante as Little Sisters. Se salvár-mos todas, o "Fim Bom" irá passar; se matár-mos todas, o "Fim Mau" vai passar; se matár-mos uma e salvár-mos as restantes, o "Fim qualquer coisa (penso que seja Neutro)" vai passar.
Como referi acima, se morrermos, regressamos para a Vita Chamber mais próxima. Isto é uma coisa que eu acho bem implementada em Bioshock, porque por vezes morremos por descuido, e ao voltarmos para a Vita Chamber mais próxima, temos tudo, tal e qual, de como quando morremos. Seja vida ou munição. E o progresso é o mesmo, ou seja, se deixá-mos aquele inimigo com pouca vida para matar, é só voltar para aquele sítio, que ele há-de estar lá, com a mesma vida.

Não vou falar muito do enredo, digo apenas, que é o enredo mais perfeito que já vi. Existem uma data de reviravoltas que garantem o suspense, e nos farão estar agarrados ao jogo até sabermos a sua história.

Agora falando nos aspectos técnicos:
Graficamente o jogo está de uma qualidade inquestionável. A água é das mais belas e mais realistas já vistas nos videojogos. Os efeitos de luz estão soberbos, assim como as texturas que até de perto apresentam muito detalhe. A luz ilumina num ângulo perfeito tal como na vida real. Até as mãos do nosso personagem estão excelentes. Mas onde se vê o potencial máximo de Bioshock é na primeira e especialmente na última cutscene. Se salvár-mos as Little Sisters todas, no final bom, vamos ver que as mãos estão ultra-realistas, até dá para ver as veias! E a cara dos personagens como Sander Cohen, Andrew Ryan e outros estão excelentes. Graficamente o jogo está soberbo.

O som é igualmente de uma qualidade inquestionável. O som combina sempre com o ambiente que nos rodeia. O barulho dos splicers está fantasticamente bom, por vezes até conseguimos perceber que arma eles empunham, quando recarregam, o som mais fácil de distinguir é o da metrelhadora, que é o mais barulhento; o que não impede que não consigamos identificar outras armas, pelo som transmitido.

Em suma, Bioshock é o um dos melhores jogos de sempre, não admira que tenha sido coroado jogo do ano de 2007. É recomendado a qualquer tipo de gamer.

Ranking
Gráficos: 9.7
Jogabilidade: 10
Som: 9.8
Enredo: 9.9
Longevidade: 9.8

Total: 9.8


Análise final:
Bioshock é um dos melhores jogos de sempre.

Vale a pena gastar 40€ neste jogo?
Sem dúvida!

Detalhes do jogo
Nome: Bioshock
Editora: Irrational Games (de irracional não tem nada)
Distribuidora: 2K
Plataformas: XBOX 360 | PC | PS3
Género: First Person Shooter com elementos de RPG
Modos: Jogador individual

1 comentário:

Anónimo disse...

Muita boa análise, como as outras também, continua assim que vais no bom caminho.